Os beneficios do perdão comprovados pela ciência

3

Guardar rancor nos fere fisicamente e psicologicamente. Você sabia disso?

A Bíblia mostra que Jesus era obcecado com o perdão. Ele nunca parou de falar sobre a necessidade de perdoar as pessoas. Suas parábolas falavam de um Deus que estava perdoando e que esperava que Suas criações estivessem perdoando da mesma forma.

Cristo retratou o perdão como essencial para viver uma vida em abundância.

Jesus e a ciência estão em pleno acordo sobre esse assunto, com estudos dando provas científicas para muitas das coisas que a Bíblia nos fala sobre perdoar uns aos outros.

QUANDO VOCÊ PERDOA, VOCÊ SE CURA MAIS RAPIDAMENTE

Os cientistas descobriram que as vítimas de graves abusos, que perdoaram seus agressores, tiveram melhoras mensuráveis na saúde física e psicológica. Quando comparadas com outros grupos de controle, essas pessoas mostravam estarem sendo curadas mais rapidamente.

Mas há um porém: o perdão não acontece de uma hora pra outra. É um processo continuo.

Técnicas específicas variam entre os praticantes, mas a base é a mesma. Os cientistas nos mostram que o nosso cérebro não pode perdoar as pessoas que já nos machucaram até que lamentemos a dor que já experimentamos, trabalhemos para entender a perspectiva do nosso agressor, decidirmos perdoa-los e, então, buscarmos ter compaixão para com quem nos feriu.

Você não pode esquecer e perdoar, nossos cérebros não funcionam desse jeito. Você só poderá seguir em frente se não desejar mal a quem tiver te prejudicado.

A FALTA DE PERDÃO TE LIMITA FISICAMENTE

Você já foi ferido por alguém de uma maneira que você não conseguiu parar de pensar nela? Pessoas “atacando” nossos pensamentos a todo instante, aparecendo em nossas mentes enquanto tomamos um café com nossos amigos, desfrutamos da natureza ou passamos algum tempo com a família.

Infelizmente, as pesquisas sugerem que guardar rancor contra alguém que nos feriu não os afeta, mas, em vez disso, nos prejudica. Esse prejuízo pode ser manifestado em formas surpreendentes.

Pensar na pessoa que nos feriu gasta energia cognitiva, afeta nossos cérebros e corpos, aumenta os níveis de hormônios do estresse em nossa corrente sanguínea e pode elevar a nossa pressão arterial, contribuindo para o ganho de peso. Ela afeta nossa capacidade de se concentrar e guardar novas memórias.

Guardar mágoa cria uma névoa em torno de sua mente e um peso em seu corpo. Isso é mais que uma metáfora, porque estudos descobriram que as pessoas podem saltar mais alto depois que, conscientemente, perdoaram alguém. Outros estudos mostraram que pessoas que pensavam sobre um rancor viram tarefas físicas se tornarem mais exigentes.

Quando não perdoamos os outros, nos colocamos em uma escravidão mental, emocional e física. A pessoa que nos feriu pode nos colocar em uma gaiola, mas somos os únicos que podemos nos libertar.

PERDOAR NÃO SIGNIFICA QUE VOCÊ ACEITARÁ NOVOS DANOS

Estudos mostram que o perdão é eficaz e benéfico, mesmo nos casos mais graves de abuso, trauma, opressão e negligência. Tanto a fé quanto a ciência moderna enfatizam a importância do perdão por quaisquer transgressões, não importando o quanto nós fomos feridos.

Porém, é importante definir bem o que é perdão. Perdão é aceitar o que aconteceu e seguir em frente, sem desejar mal a quem te machucar. Perdão não é colocar-se em situações nas quais você continuará a ser ferido. Você pode perdoar alguém e, ainda assim, poderá manter limites necessários para um relacionamento. Em casos de agressões graves, o limite pode envolver nenhum contato.

Quando Jesus falou sobre “dar a outra face” a uma “pessoa má”, essas palavras não eram apenas uma admoestação à não violência. Jesus citou a lei e, em seguida, descreveu a submissão radical para possíveis interpretações jurídicas. Esta abordagem revelou a brutalidade pessoal e sistêmica da situação, seja ela física, econômica ou jurídica.

“Dar a outra face” não é uma advertência para permanecermos em uma situação abusiva.

Como mostra a ciência, é muito bom você perdoar um pai opressor ou um cônjuge abusivo. Ela permite que você deixe para trás qualquer ressentimento em relação a uma amizade, porém sem permitir que essas coisas continuem. Em casos de agressões persistentes, a melhor maneira de perdoar alguém é seguir em frente.

 

 

Traduzido e Adaptado por Gustavo Neves. Link original aqui.

No more articles
Fé inteligente todo mês na sua caixa de entrada?