Com a Palavra // Sonoplasta

1

Sabemos muito bem que nem todas as igrejas são “abençoadas” com músicos profissionais ou que no mínimo se dedicam semanalmente em aprimorar o conhecimento acerca do seu instrumento. O mais natural é pastores e líderes contarem com voluntários que, dentro dos seus limites, procuram ajudar no ministério de música. A igreja deve proporcionar e dar oportunidades para seus membros, assim como deve fornecer cursos e incentivá-los a fazerem tudo com excelência.

Existe um exigência muito grande para que o louvor seja bom e agradável, mas nem sempre todos estão dispostos a “pagar o preço” para que isso se torne uma realidade. Foi com base nisso que criamos essa série. Queremos proporcionar e desenvolver o conhecimento sobre os instrumentos mais utilizados nas igrejas, compartilhando dicas, visando o enriquecimento e a melhoria de cada músico. Obviamente que não conseguiremos ser amplos e tão profundos no assunto, mas acreditamos que tudo o que for dito será de grande proveito para você.

Para cada instrumento convidamos um músico que estudou/está estudando com plena capacidade e propriedade para falar sobre o assunto.

Hoje é dia daquele que raramente escuta um elogio, muito pelo contrário. É o técnico de som.

Daniel Helfer

danielDaniel é casado com Talita Helfer. Formado em medicina é especialista em Anestesia. Estudou piano por muitos anos e dedicou parte do seu conhecimento tocando na sua igreja em São Paulo. Além do estudo em piano, Daniel se dedicou a estudar sonoplastia e foi ele o responsável pela implantação de um bom sistema de som na sua igreja. Parte do seu conhecimento se deu através do livro The Ultimate Church Sound Operator’s Handbook – 2nd Edition (Music Pro Guides) Bill Gibson. Além de outros meios de pesquisa.

__________________________________________________________________________________________________________________________________

Bases de um Sistema de Som para Igreja

Primeiramente gostaria de contar um pouco sobre minha historia, não pela importância dela em si, mas pra deixar claro que me encaixo num contexto normal da igreja brasileira, do ponto de vista de estrutura, formação técnica, condição financeira, etc.

Sou de uma igreja relativamente pequena que fica no Itaim, em São Paulo, que conta com pouco mais de 200 membros. Era uma igreja bem conservadora no inicio o que retardou um pouco o processo de convencimento da liderança da importância de se investir em equipamentos de som.

Esse processo dependeu muito da visão do nosso pastor, que entendia a importância e a seriedade com que isso deveria ser tratado, oração e submissão da liderança à visão que tínhamos na época. Não foi fácil. Eu era jovem, tinha 22 anos e portanto, sem “muita moral”. Mas eu acreditava firmemente que exercer um ministério de áudio com excelência é mandamento de Deus  (ICo 10:31).

Na época não tínhamos muito recurso financeiro, mas tivemos que fazer um esforço para investir nesse ministério. Obtivemos o apoio de um profissional técnico (havíamos sido bem enganados antes por picaretas) que nos orientou a compra de equipamentos e onde compra-los.

Compramos bons equipamentos, digo isso com muita segurança, pois muitos deles estão lá ate hoje desde 2003, mas muitos tiveram que ser renovados.

Dicas e Observações

  • Compre equipamentos de qualidade nem que isso leve mais tempo, e olha que eu estou falando de mais de dez anos no nosso caso. Entendo que esses equipamentos sao cotados no dólar e isso os torna muito caros. Ha poucas opções no mercado nacional que eu diria que valem a pena, mas existem. Temos boas caixas de som da linha nacional da JBL e Attack por exemplo, mas deixaria mais para retorno.
  • Não é porque você comprou um ótimo equipamento hoje que daqui ha alguns anos você não vai ter que substituir. A tecnologia evolui muito rápido também nos equipamentos de som. 
  • Pesquisar muito na internet e ver também equipamentos usados. Hoje tenho percebido que comprar pela internet tem saído mais barato.
  • Cabos são importantíssimos. Cabeamento ruim pode arruinar seu investimento ou dar a sensação de que não valeu a pena.
  • Tem que haver uma equipe para operar a mesa de som com conhecimento técnico, musical e principalmente maturidade espiritual. O conhecimento técnico e musical são óbvios, mas a maturidade espiritual talvez não seja. A operação da mesa de som é um ministério que só aparece quando as coisas dão errado. Você quase nunca recebe elogios pelo trabalho que fez, mas bordoada tem de sobra. E muito difícil lidar com os músicos, porque muitos acham que sabem mais do que você. Então se o foco do trabalho dessa equipe não for a servidão a Deus ela vai enfrentar muitos problemas. (1 Co 10:24; Co 3:23)
  • Existe um livro que eu indico que é excelente: The Ultimate Church Sound Operator’s Handbook – 2nd Edition (Music Pro Guides) Bill Gibson. Tem na amazon e fala tudo de som pra igrejas. Sou medico de formação mas aprendi muito com esse livro.
  • (Se possível) realize workshops e treinamentos buscando agregar voluntários para auxiliar no ministério.

Alinhamento de Som

De um ponto de vista mais técnico, gostaria de falar a gora sobre alinhamento de som. Ele é a base de toda a regulagem de som da sua igreja. Não adianta você ter as melhores caixas de som, instrumentos, tratamento acústico, músicos profissionais se o som estiver desalinhado.

Afinal, o que significa alinhar o som?

Cada igreja tem um formato diferente, caixas de som diferentes, tamanhos diferentes de modo que as ondas sonoras viajam também de formas diferentes, criando ondas estacionarias, reverberações, feedback (microfonia) e reforços em algumas frequências que tendem a sobressaltar e causar sons desagradáveis.

Além disso as caixas de som podem estar com volumes diferentes resultando em uma propagação desequilibrada do som.

O alinhamento consiste em:

  1. Equilibrar o volume das caixas, inclusive as sub se for o caso, de modo que emitam a mesma intensidade de som.
  2. Equalizar as diferentes frequências de modo que nenhuma se sobressaia sobre a outra, isso pode deixar o som meio quadrado (sentiu a sinestesia agora), mas você vai dar seu toque especial depois, na equalização paramétrica da mesa, individualmente em cada instrumento e depois se ainda for necessário da paramétrica do equalizador geral

Ai nesse momento você deve estar pensando: “mas para isso precisa de um profissional e de 20 equipamentos especializados de som”. Calma, já foi assim, mas hoje temos uma gama variada de equipamentos que automatizaram esse processo e eu gostaria de falar de um que tenho experiência pessoal e que gostei muito: Crossover DBX Driverack PA2, ele custa em torno de R$1500 no momento em que esse artigo foi escrito.

dbx

Primeiramente quero deixar claro que não tenho conflito de interesse com a DBX nem tampouco esse site (não estou fazendo propaganda), só estou falando desse periférico porque, como disse, foi o que utilizamos em nossa igreja e tivemos um resultado muito bom e satisfatório.

Esse periférico é um crossover ou seja, ele divide as frequências devidas para as respectivas caixas através de diferentes saídas para o PA. E tambem reúne funções de analise de espectro, equalização paramétrica e linear, feedback destroyer, subharmonic sinthetizer, compressão, limiter e delay (não o efeito, mas para caixas que estão muito distantes).

Para fazer tudo o que comentei lá em cima você vai precisar também de um microfone de referencia que custa em torno de R$350-400. Não serve qualquer microfone.

Para alinhar o som basta ligar o microfone de referência nele e apertar o botão Wizard. Ele vai te guiar passo-a-passo sobre o que fazer. No Youtube tem vários vídeos explicando, mais abaixo você pode conferir os links.

Ele inclusive tem uns pressets para as marcas de caixas de som mais conhecidas, mas isso não é fundamental. Ele vai fazer nesse processo o balanceamento, a analise de espectro e com ela regular o equalizador personalizado para o ambiente da sua igreja e também regular o feedback destroyer automaticamente.

Encorajamento

Espero ter correspondido com o meu conhecimento sobre o assunto, por vezes é mais fácil compartilhar nossas experiências do que falar sobre algo do qual ainda não experimentamos. Minhas últimas palavras são também de encorajamento para aqueles que exercem essa função dentro do ministério. Não desanimem e continuem perseverando naquilo que Deus confiou em suas mãos. Procure manter um relacionamento sadio com a sua liderança e com paciência apresente quais são as suas necessidades para desempenhar o seu trabalho e melhor servir a sua igreja local.

Links Relacionados

 

 

No more articles
Fé inteligente todo mês na sua caixa de entrada?