Quando o babádo é forte e a alma é fraca

0

Por várias vezes fui vítima de fofoca em minha vida. Provavelmente você conhece essa sensação. Ela te faz se sentir traído, incompreendido, profundamente envergonhado e com raiva. Essa raiva é o suficiente para que façamos constatações infantis, prometendo um certo nível de vingança. Porém, nem sempre temos coragem de permitir que esses pensamentos saiam de nossas mentes.

Infelizmente, eu também sei como é ser o fofoqueiro. Embora eu nunca tenha feito da fofoca um hábito, ela muitas vezes me seduz fortemente.

Ser crítico nos faz sentir melhor sobre nós mesmos. Nos faz sentir como se estivéssemos no controle das pessoas normais ao nosso redor. Isso nos oferece uma forma imediata de desabafo e de alguma maneira, nos faz sentir mais conectados com aqueles que estão partilhando da fofoca.

A verdade é que a fofoca é uma mentira. Ela pode nos fazer sentir um alívio e poder. Mas na realidade, seja com os colegas de trabalho, em suas amizades ou em casa, falar de maneira crítica sobre outra pessoa é uma das coisas mais prejudiciais que podemos fazer para eles e para nós mesmos.

Aqui estão algumas coisas que a fofoca realmente faz:

A FOFOCA FAZ VOCÊ SER ALGUÉM SOLITÁRIO

A ciência diz que compartilhar coisas negativas cria laços mais fortes do que compartilhar coisas positivas. É por isso que a fofoca parece criar uma conexão mais rápida e fácil entre os fofoqueiros.

Porém, não podemos cometer esse erro. A fofoca não facilita uma conexão real e verdadeira. Você, eu e qualquer outra pessoa que não sabe domar o seu “eu” crítico, inevitavelmente será descoberto como alguém não confiável.

A última pessoa que sentiremos confiança em compartilhar a nossa vida é com aquele que fofoca publicamente. Por que? Porque, embora demore algum tempo, todos finalmente percebem que “pessoas que fofocam, fofocam sobre você.”

A FOFOCA PROJETA INSEGURANÇA

“A fofoca, seja na forma de um rumor que varre a nação ou de uma sessão de “veneno” entre amigos, reflete a insegurança daqueles que a inicia.” Oprah segue dizendo isso com perspicácia, “Quando fazemos declarações negativas sobre os outros pelas costas, muitas vezes o fazemos porque queremos nos sentir poderosos e normalmente isso acontece porque de alguma maneira nos sentimos impotentes, indignos ou até mesmo sem coragem para sermos francos.”

Cientes disso ou não, em algum nível todos nós lidamos com a insegurança e a baixa auto-estima. Infelizmente a fofoca é apenas uma máscara, como a auto-glorificação, que visa encontrar uma validação ou simplesmente sentir que somos mais do que aquilo que acreditamos ser.

A FOFOCA INDICA IMATURIDADE EMOCIONAL

Não há duvida que lidar de forma produtiva com o seu “eu” crítico ou com suas frustrações relacionais é um ofício que precisa ser desenvolvido. A confrontação saudável é uma arte desafiadora que, muitas vezes, se torna uma opção inferior se comparado com o relevo emocional do “sussurro” no ouvido alheio.

No entanto, um fofoqueiro crônico muitas vezes é alguém imaturo. Ele é alguém que precisa de alívio emocional, como todos nós, mas que não desenvolveu uma forma sociável para obtê-lo.

A FOFOCA DÁ VOLTAS

Alguns chamam isso de “colher o que plantou.” Outros, chamam isso de Karma. Mas no fim das contas, tudo o que vai, sempre volta.

Jesus parece entender como o universo social funciona ao dizer, “Pois da mesma forma que julgarem, vocês serão julgados; e a medida que usarem, também será usada para medir vocês.”(Mateus 7.2)

Faça fofoca e você será fofocado. Assuma o risco ao julgar o seu próximo por uma determinada escolha ou pelo seu modo de vida.

A FOFOCA MENTE PARA VOCÊ

De acordo com alguns estudos científicos, a fofoca é uma profecia auto-realizável e que possui uma forma de elaboração perceptiva e de criação da realidade.

Nossas mentes estão sempre tentando corresponder ao externo com nossos mundos internos. A fofoca altera a perspectiva interna das pessoas, focando nas coisas negativas que foram ditas para você sobre alguém, independentemente se essas coisas realmente aconteceram.

A MORAL DA HISTÓRIA?

A fofoca não cultiva uma boa vida.

Porém, a boa notícia é que o alivio emocional, a conexão relacional e o sentimento poderoso que a fofoca nos oferece pode ser encontrado em outros hábitos mais sociáveis. E embora existam muitas outras alternativas para a fofoca, encontrei uma que particularmente silencia melhor o meu crítico interno.

Esse hábito é simples: a defesa.

É sobre aprender como identificar o bem em uma pessoa, independentemente do quão difícil seja ver esse bem, e escolher se concentrar nele.

É sobre se recusar a julgar uma pessoa com base naquilo que você acredita que é certo ou errado, bom ou mau, melhor ou pior e encontrar algo que você aprecia nela.

É sobre identificar algo em uma pessoa, mesmo que apenas uma coisa, que o inspire falar de vida e não de morte.

Porque não se trata apenas do modo como a fofoca pode ser prejudicial a nós e ao mundo que nos rodeia. É sobre a mudança positiva que essas palavras de defesa podem criar.

Experimente. Pelas próximas 24 horas, cada vez que você se encontrar pensando em algo negativo sobre alguém, altere por completo o curso das coisas. Encontre algo que você goste nessa pessoa e simplesmente, de maneira interna ou externa, reconheça isso. Você ficará surpreso ao perceber como um pequeno leme consegue virar um grande navio.

 

Traduzido e Adaptado por Gustavo Neves. Original aqui.

No more articles
Fé inteligente todo mês na sua caixa de entrada?