Abuso espiritual: feridas causadas em nome de Deus

0

Sou psicóloga e sou cristã. Sou jovem e vivo no século XIX. Não apenas frequento a Igreja, mas sou ativa como membro. Também fiz Teologia (4 anos em um seminário ). Mas vivo um drama enquanto profissional. Aparentemente ciência e religião não conversam entre si. Isto seria aceitável se eu vivesse nos séculos passados. Ou pelo menos deveria ser assim. Mas o que eu vejo em consultório são estas duas áreas batendo cabeças entre si de uma forma totalmente desnecessária, gerando o que irei chamar aqui de abuso espiritual.

O dicionário Aurélio define abuso como: “s.m. Uso mau, excessivo ou injusto: fazer abuso da própria força. Injustiça, desordem, excesso: cometem-se muitos abusos. Abuso de autoridade, ato de um funcionário que vai além de suas atribuições. Abuso de confiança, ação de abusar da confiança de alguém. Abuso de direito, ação que consiste em ultrapassar os limites consignados ao exercício de um direito.

O termo ou ideia de abuso aplica-se a qualquer ação humana onde exista uma pre-condição de desnível de poder, seja ele sobre objetos, seres, legislações, crenças ou valores. Entendendo-se poder como uma condição de possibilidade de ação, em função do desejo ou iniciativa consciente ou não, a contrapartida da liberdade absoluta de ação são os delimitadores que ocorrem na realidade.

Abuso seria então tudo aquilo que alguém usa para dominar ou como força para persuadir ou machucar alguém. O abuso acontece em várias áreas e como tal ele gera danos irreparáveis na psique de qualquer pessoa. Mas o que seria um abuso espiritual?

Abuso espiritual seria qualquer atitude, decisão, forma, seja ela verbal ou não de persuadir, dominar alguém através de qualquer religião. É o nome de Deus sendo usado em vão em prol daquilo que eu acredito ser o melhor sem qualquer embasamento bíblico.

Isto acontece? Aos montes. Quer ver?

Caso 1

Paciente me procura porque quer fazer terapia. Tem sérios problemas psicológicos. Sofre de depressão, se automutila e já tentou se matar duas vezes. Está desesperada porque nada parece preencher o vazio e a tristeza que sente. Procurou o pastor da sua igreja para se aconselhar. Seu pastor a aconselha a passar por libertação e procurar algo para fazer pois certamente sua depressão tem a ver com a mente vazia e todo mundo sabe que mente vazia é oficina do Diabo.

Engraçado? Nem um pouco. Esta moça acabou de fazer 17 anos. Não tem autonomia total da sua vida por ser menor de idade e por isto seus pais (depois da conversa com o pastor) a proibiram de fazer terapia. Resultado? A moça tentou se matar novamente.

Ah! Mas isto é um caso em um milhão. Quer outro exemplo?

Caso 2

Paciente foi abusada sexualmente por um membro da sua família. Levou o caso para o pastor da igreja. O que ele fez? ” vamos perdoar e esquecer isto, afinal a Bíblia manda perdoar.” Mas a vítima foi tratada certo? Errado. Ela foi condenada por ser vítima e suas feridas esquecidas, sem serem tratadas. O cara que abusou? Pelo que eu sei até hoje serve ceia na igreja.

Calma que tem mais. Ou seu estômago já está embrulhado igual ao meu?

Também já atendi casos que paciente surtou, sério surtou, diante de tanta lavagem cerebral que algumas igrejas fazem sobre você ter que dar o seu dinheiro, suas posses senão você vai para o inferno. Esta paciente toma remédio até hoje e irá tomar para o resto da sua vida para não ter um outro surto de esquizofrenia.

Eu poderia ficar aqui o dia todo relatando casos de pessoas que sofreram ou sofrem de abuso espiritual. Mas não irei fazer. Você já entendeu aonde quero chegar.

Cada vez mais, pessoas, pastores, presbíteros usam o nome de Deus para sujeitar pessoas ao seu domínio. Não sei se por ignorância ou por maldade. Prefiro acreditar que não conhecem de fato os problemas psíquicos. Não, não posso acreditar nisto. Não no mundo em que eu vivo onde a informação e o conhecimento estão a um click de dedo.

Depressão é doença. Abuso sexual é crime. Lavagem cerebral é abuso. Vamos começar a separar as coisas. Cada um no seu quadrado e todo mundo em prol do reino.

Não somos seres espirituais apenas. Temos um corpo e uma alma. Temos emoções. Somos feridos. Ficamos doentes. Nem tudo é o capeta. Aliás, quase nada é culpa dele, mas do caráter e da natureza humana.

Como saber se estou sofrendo abuso espiritual?

Você tem medo de Deus

Quando você está sofrendo abuso espiritual, Deus vira quase que uma imagem de um ditador. Pastores, líderes, geralmente usam deste artifício para controlar seus membros e automaticamente seu relacionamento com Deus começa a se deteriorar porque você começa a fazer as coisas por medo da punição e não por amor a Deus.

A palavra do seu líder/pastor vira lei

Você não questiona o que seu líder fala? Simplesmente aceita como se aquilo você a revelação de Deus para sua vida? Saiba que você está sendo vítima de abuso espiritual. Lembre-se que a revelação de Deus é sempre pessoal E Deus não se contradiz. Ele não vai mandar você fazer algo na que está errado.. E Deus SEMPRE confirma o que Ele diz. Além do que, temos a Bíblia, a Palavra de Deus para a nossa vida e a base de tudo ( 2 Timóteo 3:16-17).  E não se esqueçam, que a paz deve ser o arbitro do nosso  coração.

Você não tem equilíbrio

Parece lindo que você gaste todos os seus dias e horas dentro da Igreja. Gosto sempre de pensar que Jesus era equilibrado. Ele ia a festas, se recolhia em oração, fazia milagres, conversava com seus discípulos. Em nenhum momento você vai ver Jesus “bitolado”. Isto ocorre porque Ele sabia que a vida humana além da esfera espiritual, tem a emocional, a profissional, a física.

Você não consegue pensar, decidir ou sentir sozinho

Quando nos deixamos levar pela opinião do outro e ela se torna lei, não conseguimos tomar uma simples decisão sem a opinião do outro. Já viu aquele crente que para tudo precisa ligar para o pastor para decidir algo sobre a sua vida? Conselhos são válidos e eles devem ser ouvidos, mas tem gente que passa do limite. Conheço crentes que precisam perguntar praticamente tudo sobre suas vidas para o pastor. Uma vez , uma amiga que ia no cinema comigo ligou para o pastor para perguntar se aquele filme “era de Deus”. Oi? E lembre-se, nem toda profecia é de Deus, algumas são “profetadas”. Não saia por ai ouvindo tudo como se fosse de Deus:  “Não tratem com desprezo as profecias, mas ponham à prova todas as coisas e fiquem com o que é bom.” 1 Tessalonicenses 5:20-21

Você se isola das pessoas que não frequentam a sua igreja e fica dependente

Preciso dizer algo? Quanto mais vítima você for, quanto menos equilíbrio você tiver em sua vida, mais você irá se isolar do “resto do mundo”, se fechará neste ciclo e se tornara uma pessoa fanática, e não um cristão equilibrado. Acontece viu? Ser cristão não te torna melhor do que ninguém, pelo contrário, te mostra o quão pecador você é. Jesus se sentava com os pecadores , e não se isolava deles. Ele fugia dos fariseus, que era considerada a classe espiritual da época.

Negação

Você nega todos os sintomas acima, e diz que seu pastor é um homem de Deus e, portanto deve ouvi-lo sem criticá-lo.

 

Se você conseguiu chegar até aqui na sua leitura, você deve estar se perguntando o que deve fazer para não sofrer mais abuso espiritual. Se você chegou até aqui, mas não tem certeza se o que está passando é abuso, basta olhar para você do ponto de vista de outra pessoa.  Fazemos muito isto em terapia. Se você estivesse vendo está situação de fora, como se fosse um filme, como seria? Pergunte a si mesmo como você se sentiria se seu filho, irmão, pai estivesse vivendo sua vida. E Jesus? É assim que Ele estaria vivendo sua vida?

Não existe uma fórmula mágica para superar um abuso. Seja ele que nível for. Cada abuso  tem efeito diferente na vida de cada um e como tal deve ser tratado de forma cuidadosa. Mas sem dúvida o primeiro passo para isto acontecer é reconhecer que você tem um problema. Não dá para disfarçar, ou tapar o sol com a peneira. Por mais doloroso que seja, é preciso reconhecer que você está sendo abusada espiritualmente.

Você precisa saber que a força para superar o abuso está dentro de você, isto vale para o abuso espiritual também. A força para parar o abuso tem que vir dentro de você. Você pode não conseguir fazer isto sozinho, então procure ajuda de algum cristão de confiança e equilibrado. Procure um psicólogo para  lidar com suas emoções e sentimentos, caso seja necessário.  Ele também te ajudará a encontrar o equilíbrio em sua vida.

Tenha sempre a Bíblia como base das suas decisões e vida. Homens erram, falham, mentem. Lembre-se somente Deus é fiel e verdadeiro. Questione sempre, veja se o que está sendo falado, aconselhado tem base bíblica. E mesmo que tenha base, peça a Deus para confirmar em seu coração se aquela Palavra é verdadeira. Tem muita gente ai usando “um texto, fora do contexto como pretexto” para dominar vidas, para criar sãs doutrinas. Estas pessoas estão no púlpito! A Bíblia os chama de falsos profetas. “Pois aparecerão falsos cristos e falsos profetas que realizarão sinais e maravilhas para, se possível, enganar os eleitos. Por isso, fiquem atentos: avisei-os de tudo antecipadamente.” Marcos 13:22-23. “Amados, não creiam em qualquer espírito, mas examinem os espíritos para ver se eles procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo. “ 1 João 4:1

Converse com Deus, peça a Ele para te mostrar o que está errado e como Ele pode te libertar. Tenha intimidade com Deus. Aprenda a reconhecer a sua voz. Frequentar uma igreja não significa que você conhece a Deus ou que você tem uma relação com Ele. Lembre-se dos fariseus da época de Jesus? Pois é.

Para finalizar, preciso deixar um ponto claro. Comecei este texto falando que sou psicóloga e cristã. Minha fé em Jesus sempre será prioridade em minha vida. Mas isto não invalida a minha profissão. A mensagem de Jesus é dentre outras é a de que Ele veio trazer vida, e vida em abundância. Entendo esta declaração como sendo algo que Deus quer que eu viva, ou seja , na plenitude do que a vida pode me proporcionar. Sem traumas, enfrentando as dores , olhando sempre para frente. Jesus ensina a deixar as coisas para trás. A olhar o melhor em mim e no próximo. A amar e perdoar. Se não é isto o que a Psicologia também oferece aos pacientes eu não sei o que estou fazendo.

Por isto acredito que Psicologia e cristianismo conversam entre si. E podem até ser um complemento um do outro. Desde que feito com sabedoria. Digo e repito: Jesus foi o maior psicólogo que existiu. Ele soube separar bem onde entrava o espiritual na vida de uma pessoa, onde tinha que lidar com o emocional e quando os dois precisavam ser curados. Sem abusos.

Como você pode ver, a minha profissão casa com a minha crença. Mas isto não significa que eu leve minha crença para o consultório. De forma alguma. Não tento converter ninguém. Apenas aceito a Psicologia como algo natural e parte de mim, assim como a minha fé.

A Psicologia pode e deve ser usada dentro das Igrejas. Cristãos podem e devem fazer terapia. Jesus entendia as pessoas em sua plenitude. Ele olhava o espiritual, mas também o físico e o emocional. A psicologia como ciência deve cuidar do que propõe cuidar (teórica e tecnicamente), a Igreja idem, mas isto não significa que um anule o outro. Todas as questões que envolvem valores morais devem ser tratadas com cuidado, e os conteúdos religiosos não são diferentes.

“O psicoterapeuta deve atuar com o olhar científico, dialogando com as crenças e valores de seu cliente, bem como com a experiência religiosa deste, sob o ponto de vista dos conteúdos religiosos próprios do cliente e nos limites da prática psicológica cientificamente recomendada”. (Zacharias, 2007) 

Neste sentido, o psicólogo deve estar consciente do olhar profissional que é esperado dele. O psicoterapeuta não é, no exercício de sua profissão, um (líder, pastor, padre, xamã, pai de santo) embora trabalhe com os mesmos conteúdos, “os ditos inconscientes”. O que diferencia um do outro é o olhar, a maneira e os referenciais conceituais para interagir com o conteúdo exposto pelo cliente.

 

Texto escrito pela Psicóloga Débora Oliveira exclusivo para o TWHP

No more articles
Fé inteligente todo mês na sua caixa de entrada?