A silenciosa dor da infertilidade

1

“Minha esposa e eu estamos tentado ter um filho por quase dois anos e temos medo, por conta de problemas envolvendo a infertilidade, de não sermos capazes de ter um bebê. Estamos sentindo uma grande dor e precisamos de ajuda. Por isso, estou escrevendo para saber se você tem como nos ajudar. Peço desculpas se tudo isso não está muito claro, eu mesmo não sei o que deveria estar pedindo.”

Normalmente eu daria um apelido brincalhão a pessoa que fez essa pergunta apenas para descontrair, mas hoje em dia isso não me parece certo. E não é por causa do problema em si ou das inúmeras pessoas que estão lendo o que estou escrevendo, esperando por uma resposta que forneça algum alívio para a sua dor.

Aposto que os últimos dias não tem sido aquilo que você esperava, certo? Anos atrás, você e seu cônjuge estavam tendo um belo jantar em um ótimo restaurante. Vocês se olharam e um de vocês disse: “Ei, vamos tentar?” Em um instante, ambos perceberam que estavam no caminho da paternidade. Tremor, medo, empolgação, berços… todas essas coisas inundaram o seu relacionamento. Esses dias não foram divertidos? Não foi bom ter esperança?

E então algo aconteceu. Mês após mês, quando surgia um traço azul ao invés de um sinal rosa, a esperança começou a desaparecer e o pavor tomou lugar. Assim, no mesmo restaurante que tudo se iniciou e que mais parecia um lembrete trágico da distante felicidade, um de vocês disse, “Devíamos ver um médico?” Então vocês foram até ele. E o médico admitiu “algumas complicações”. As paredes do consultório ficaram turvas e as palavras começaram a embaralhar. Você percebeu que a sua esperança sucumbiu à infertilidade.

É a pior coisa. Apenas a pior.

Isso nos leva à questão fundamental: como fazer a infertilidade ser menos terrível? A pergunta não é “o que pode tornar a situação melhor?” porque o “melhor” para você, neste exato momento, é parecido com uma criança em sua casa. Eu poderia dizer a vocês algumas verdades e banalidades cristãs sobre como existem pessoas que, por uma razão ou outra, nunca tiveram filhos biológicos ou adotivos e estão vivendo vidas felizes. Mas isso não é útil para vocês. Vocês querem os seus bebês, eu entendo.

Porém, eu gostaria de apresentar quatro pensamentos rápidos que você pode se agarrar enquanto atravessa a estrada de incertezas a frente:

 

DEIXE QUE AS PESSOAS SE ENVOLVAM

Um dos erros que cometemos na vida é acreditar que se nós não dissermos nada, os problemas desaparecerão ou de alguma maneira irão melhorar. Fazemos isso o tempo todo. Diante de um distante e fraco sussurro de vergonha, começamos a nos enfraquecer em nossa caminhada.

Infelizmente, as vezes a vergonha de alguma maneira entra em ação e fazem casais, que estão vivendo momentos difíceis, sofrerem silenciosamente. Talvez eles sintam que há algo fisicamente “errado” ou que Deus está ferindo-os por erros antigos. Ou talvez eles não queiram ser um fardo para os outros. Seja qual for o caso, muitos sofrem em silêncio. Isto não pode continuar.

Se estiver enfrentando a infertilidade, você tem que contar aqueles que ama e confia. Não porque isso fará com que as coisas melhorem, mas porque você não deve continuar vivendo esse momento sozinho. As pessoas precisam chorar com você e carregar o fardo com você. As pessoas precisam ajudar vocês a tirar o foco da situação por pelo menos uma noite. Você e seu cônjuge não podem fazer isso sozinhos.

Aqueles que vocês amam devem ajudá-los não apenas em pensamento, mas com obras. Você não irá atrapalhar eles. Eles querem estar com você hoje, amanhã e depois de amanhã.

 

NÃO CRIE ESTRATÉGIAS

Eu temo estar ultrapassando o limite com esse ponto, mas gostaria de trabalhar essa ideia com você. E se você parar de pensar no amanhã (de uma forma realista)? A natureza da infertilidade se baseia na necessidade de você tomar enormes decisões para uma mudança de vida.

No entanto, essas decisões não são tudo. Em última análise, não temos controle sobre as crianças que são trazidas a este mundo. Na verdade, qualquer criança, seja adotada ou não, é um milagre.

Por isso, por elas serem um milagre e porque o mesmo está fora do seu controle, e se você tentar parar? Pare de se preocupar com a medicação que pode resultar em complicações que dificultarão ainda mais essa situação no futuro. Quem poderia saber o que é certo ou errado? Bom, Deus sabe. Porém você não. Então tome a melhor decisão e aceite que você não pode controlar o caminho a frente.

Reconheço que o que eu estou pedindo para você é impossível. Você pode estar um pouco frustrado comigo por estar sugerindo que dê uma afrouxada em sua estratégia. Mas, e se você, mesmo por um breve momento, não tiver medo e pavor sobre qualquer decisão? Adoraria ver isso em sua vida. E gostaria que Deus tivesse um lugar na direção de seus pensamentos.

 

SEJA SINCERA COM DEUS

A relação entre aqueles que estão sofrendo (você) e Aquele que está no controle (Deus) pode se tornar muito complexa. Para essa situação, quero lhe dar dois conselhos:

  1. Você pode ficar brava com Deus. É sério. Você pode e você deve. Não é útil fingir que está tudo OK. Mas é útil conversar com Ele. Seja sincera com Deus no exato lugar em que você está e confie que Ele pode lidar com o seu pior (e amá-lo ainda assim). Você é filha de Deus e a sua dor é Dele.
  2. Se você está muito ferida para orar, está tudo bem. É sério, não tem problema.

ISTO NÃO É SUA CULPA

Finalmente, nos momentos tranquilos da infertilidade, a escuridão se insinua silenciosamente e as razões do “por que estou vivendo essa situação” começam a apontar para você. Isso é uma mentira. O aborto, o abuso físico, etc., etc. começam a ser a razão para toda essa dor (em sua mente).

Preste atenção: o que você está passando não é sua culpa. Sim, o diagnóstico de um médico pode apontar para um problema específico ocasionado por um histórico familiar ou mal funcionamento corporal. Mas essas questões não são o que impedem que você tenha um bebê. O que faz isso se tornar realidade é um milagre. Um milagre diário, algo que é comum e ao mesmo tempo nem tão comum.

Seu passado foi perdoado por um Deus amoroso que cuida de você. Não existe maldição sobre você e você não é o “porquê”. Na verdade, e infelizmente, não existe qualquer por que e isso é o que o torna insuportável. Porque nós somos um povo que necessita de significado e razão. A infertilidade não tem sentido e pela falta de “porquês”, ela é uma droga.

Você não é o problema.

Então, para as minhas amigas que estão lendo esse artigo e especialmente para a minha amiga que escreveu aquela mensagem inicial, que Deus esteja com você e saiba que todos nós estamos com você. Você não está sozinha.

Calorosamente,

Eddie.

 

Traduzido e Adaptado por Gustavo Neves. Original aqui.

No more articles
Fé inteligente todo mês na sua caixa de entrada?